JESUS TE AMA COMO NINGUÉM POIS ELE É TEU SALVADOR

A CRIAÇÃO (CONTINUAÇÃO)>CREATION


Nós havíamos dito que a descrição da Criação no capítulo 1 de Gênesis, numa simplicidade de relato litúrgico-poético, como o fizeram os poetas hebreus nos Salmos (saltério), se deu numa semana sagrada de sete dias: com seis dias de trabalho Deus fez o mundo e tudo o que há nele, no sétimo dia descançou. Ora, sem pestanejar, a significação é óbvia e simples: o número seis (os seis dias de criação) é símbolo do homem (ser humano) pois este como coroação da criação (foi posto como seu senhor = 'dominai a terra'), fora criado justamente no sexto dia. Já o número sete, simboliza tudo o que está relacionado a Deus (sete castiçais, sete espíritos, sete trombetas, sete taças de ira, sete selos, etc.), e, quando diz que Deus o 'santificou' (o separou) como seu dia de Descanço, de certa forma está convidando ao homem do sexto dia a descançar com Ele (Hebreus 3.11-19; 4.1-11). Outrossim, quando Jesus falou sobre o sábado, expôs a doutrina correta quanto a este dia 'santo': o homem não feito em razão do sábado, mas o sábado em razão do homem. Vejam: o homem foi criado antes do sábado, na sexta-feira da criação, e o sábado veio 'depois' do homem como uma dádiva divina para seu Descanço. Há mal nisto? Foi abolido o sábado? Se o foi, então outro tipo de sábado é que foi abolido e não este! Aliás, a guarda do sábado está inserida e no contexto dos Dez Mandamentos (Êxodo 20). E, Se realmente o sábado de Descanço foi abolido, então teria que acontecer o mesmo com o mandamento "Não matarás" e "Não roubarás", o que não é verdade. Reiteramos e explicamos: o sábado que fora abolido foi o sábado guardado pela elite religiosa e legalista nos dias de Jesus (fruto de uma exegese rabínica 'talmúdica' pós-exílica), um sábado totalmente diferente do que o sábado que Jesus viveu e pregou. Mas, deixemos de lado este assunto, pois poderíamos continuar falando de forma mais profunda deste sábado que o escritor da carta aos hebreus (NT) ensinou e nos legou com tanta sabadoria: o sabá do descanço eterno de Deus (Hb 4.9-11).


Quanto ao Gênesis capítulo 2, muitos também já discutiram polemicamente sobre ele: as árvores da vida e do conhecimento são símbolos-metáforas ou literalmente uma macieira e outra semelhante ao maná? qual era a localização do Éden? Lilith (uma espécie de mulher protódica que segundo a Cabala judaica tinha relações com Adão antes da criação de Eva) realmente exitiu no Éden, e se existiu, foi ela quem com ciúmes da recém criada Eva usou (ou se transformou na) a serpente para fezer com que ela (Eva) pecasse? teve Adão relações sexuais e filhos com Eva no Jardim do Éden?  constitui o texto de Gênesis 2 um segundo relato de outra fonte e autoria? e por aí vão as indagações. Contudo, tanto Gênesis 2 quanto Gênesis 1 foram usados por Jesus e por Paulo para sustentação de grandes e importantes doutrinas no NT. Quais doutrinas são estas?

Doutrina da monogamia heterossexual;
Doutrina da hierarquia litúrgica-eclesiástica e conjungal em termos de submissão e liderança-autoridade;
Doutrina do casamento indissolúvel;
Doutrina do que é Pecado e como ele entrou no Mundo;
Doutrina do cabeça federativo da raça humana, etc.


                                  Continua...